Ensaios poéticos

Postagens populares

Caatinga/ mandacaru em flores

Caatinga/ mandacaru em flores

Árvores da Caatinga

Árvores da Caatinga
Mufumbo florido

Visitantes

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Voz poética de Fátima Alves - Poetisa da Caatinga - São Miguel / RN



Fonte do bem

De ti quero ser uma gota que cai
E junto a muitas... Dar a luz a um rio
Que nasce no alto e desce pro mar
Correndo feliz pra logo chegar
E longe... Bem longe... Poder desaguar

Se eu não puder se essa gotinha
Não fico zangada porque te entendo
Mas vou te pedir me deixa ser flor
Porque suas margens desejo enfeitar
E minhas sementes eu vou semear

Mas se eu não puder também ser a flor
Não vou ficar triste por não te enfeitar
Me deixa ser rocha lá das cachoeiras
Que posso sentir-te em mim a passar
E a tua beleza vai me encantar

Se acaso, você também não deixar
Eu ser essa rocha pra te admirar
Me deixa ser árvore nos vales que passas
Que vou ser frondosa pra ti encantar
E em suas águas que a todos alegram
As mais belas flores  irei te jogar

E ainda assim, se tu não deixar-me
Eu ser o quero e tanto te peço
Irei te pedir que pode ordenar-me
E seja o que for... Eu vou aceitar
Porque em tua fonte eu sempre bebi
E sinto-me pronta pro amor semear
               ***
Fátima Alves – Poetisa da Caatinga
Natal, 25.10.2008

Texto publicado na Antologia feminina do II Seminário  Internacional das Américas em terras potiguares.

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Convite para Antologia


sexta-feira, 4 de novembro de 2016

De bonecas,cheiros e saudades - Voz poética de Pedra do Sertão

De bonecas, cheiros e saudades




Elas iam em uma caixa de madeira cheiinha de coco, manga, colares de catolé (ainda sinto o cheiro), camisolas de algodão, doce de buriti, rapadura, cajuzinho tudo bem embrulhado por vovô e vovó. Saíam de Juazeiro do Norte (CE) direto para a Vila Ré (SP). Iam por uma transportadora e geralmente chegavam perto do Natal..para nosso fim de ano ficar gostoso...quando não iam com os próprios familiares, tia Rose e tia Elzenir, tio Assis e tia Célia foram portadores dessas encomendas para Almeri Sobreira...As bonecas e seus vestidos coloridos.As bonecas e seu cheiro de algodão cru...As bonecas que ficavam sentadas assistindo as aulas. Alunas de nossa escola imaginária.Uma porta verde era a lousa.Todas obedientes e comportadas!




* foto Restaurante Mangai/João Pessoa - Arquivo pessoal 


domingo, 21 de agosto de 2016

Voz poética de Fátima Alves - Poetisa da Caatinga
















Visões da Lua cheia

Hoje vi a Lua cheia
Coisa linda de se ver
Puro encanto prateado
Que seduz os namorados

Hoje vi a Lua cheia
Entre os prédios da cidade
Uma beleza notável
Que mudou este cenário

Hoje vi a Lua cheia
Nascer acima do morro
Trazendo raios de prata
Enfeitados de paixão

Hoje vi a Lua cheia
Da janela do meu quarto
E não pude me conter
Me senti apaixonada

Hoje vi a Lua cheia
Trazer luz pra meu jardim
Claridade sedutora
A flor de cacto despertou

Hoje vi a Lua cheia
Com seu rosto bem feliz
Em véu de prata vestida
Querendo mostrar-se ao seu rei

Hoje vi a Lua cheia
Como sempre solitária
Pois o Sol já tinha ido...
                 ***
Fátima Alves – Poetisa da Caatinga
Natal, 07.07.09

 Texto do meu livro "Palavras  Singelas e Encantamentos"...




sexta-feira, 24 de junho de 2016

Voz poética de Fátima Alves - Poetisa da Caatinga

Um canto aos encantos do RN

Nossas terras tão sofridas
Por descuido e pré-conceito
Tem belezas sem igual
Tanto mar... e tantas serras
Temos vales grandiosos
Muitas dunas e salinas
E a singular caatinga
Que pra esperar  a chuva
Perde o verde e fica cinza
Se encanta por um tempo
Mas depois é paraíso...

Nossa terra tão sofrida
Não me canso de cantar
Cada canto onde vou
Vem pedir meu versejar
E se exibe para mim
Pra que eu possa mostrar
Por letras de sentimentos
Como é lindo esse lugar

Nossa terra tão sofrida
Por visões equivocadas
Mostra um povo miserável
Mendigando seu viver
São imagens assustadoras
Para o mundo socorrer
Com remédios analgésicos
Que camufla e não resolve
Humilhando nosso povo
Pra assim sempre sofrer

Eu não gosto de nos ver
Ser retrato de miséria
Gente que vive morrendo
Por não ter cidadania
 Num lugar tão magnífico
“Ser mendigo que trabalha”
Se o trabalho enobrece?
Precisamos desfrutá-lo
Temos frutos pra colher
E não posso aceitar
Que essa seja nossa imagem

Quero ver nossa cultura
Respeitada e difundida
Cada ponto do RN
Tem um jeito de viver
Da caatinga ao litoral
Todo mundo sabe ser
Simplesmente o que se é
Mas precisa condições
Pra chegar aos ideais
Do futuro planejado
Bem melhor que no presente

Nossa terra tão sofrida
Tem riquezas no seu chão
Seus vales, chapadas e serras
Produtivos sempre são
E até a água escassa
Só não chega onde falta
Por não termos instrumentos
Pra chegar no lençol dágua
Que estar no subsolo
E ninguém pode usá-lo

Nosso povo é tão bonito
No seu jeito natural
Quando vive em seu lugar
É o amor que reina lá
Todo mundo é tão unido
E consegue se ajudar
Mesmo nas dificuldades
Se aprende a partilhar
E a dor de qualquer um
Não dói mais pois é de todos

Meu lugar eu sei amar
Do jeitinho que ele é
Se é praia ou é caatinga
Tudo aqui tem seu valor
Não comparo essas grandezas
E respeito as diferenças
Porque cada uma tem
O que Deus determinou
E se a gente entende isso
Só amor vai plantar lá

Eu nasci nessa caatinga
Que parece estorricada
Pra viver eu aprendi
Conviver  com as suas leis
Se tem água vou plantar
Cultivar e armazenar
Pra no tempo que faltar
Já saber onde ir buscar
Sem precisar mendigar
A quem só quer explorar

Uma coisa eu bem sei
Minha alma é desta terra
E não quero ser queimada
Pelo o olhar de quem não sente
Preconceito espanto logo
Somos fortes e valentes
Criativos e persistentes
Canto  o canto do meu povo
E hei de viver cantando
As grandezas potiguares
Vou cantar até  o meu fim...
                 ***

Texto do meu livro "Retratos Sentimentais da Vida na Caatinga"
Fátima Alves - Poetisa da Caatinga

Natal,11.11.09

“Á terra onde Deus me fez nascer

domingo, 19 de junho de 2016

Voz poética de Fátima Alves - Poetisa da Caatinga



Sereno e Sol

Respiro de Deus
Com cheiro de flor
Singelo molhar
Pra vida acordar
Sereno em véu
Envolve
a montanha
E o sol da manhã
Também quer brilhar
Com raios morninhos
Esbanja sua luz
E pede ao sereno
Pra vida esquentar
O sereno despede-se
E vai descansar
Deixando o espaço
Pra o sol governar
Sereno e sol
Essências de Deus
            ***
Fátima Alves -  Poetisa da Caatinga
Natal, 02.03.09
Ao Deus universal!
Texto do meu livro "Palavras Singelas e Encantamentos...

sábado, 18 de junho de 2016

Vamos preservar as florestas para garantia da água...

Os pesquisadores científicos da Seção de Engenharia Florestal, do IF, Valdir de Cicco, Francisco Arcova e Maurício Ranzini, embasaram suas teses de doutorado em pesquisas sobre a relação entre a floresta e a água, elucidando dúvidas e provando com nú
AMBIENTE.SP.GOV.BR